Base forte: destaque da Copinha, Marcos busca seu espaço na equipe titular

30/01/2020

No começo do mês, o Gama alcançou seu melhor resultado na história da Copa São Paulo de Futebol Juniores, ao chegar na segunda fase da competição pela primeira vez em suas doze participações. A vaga veio com uma goleada por 5 x 2 sobre o Rio Claro na última rodada da fase de grupos. O Gama precisava da vitória e, de quebra, torcia por um tropeço do Paulista, concorrente direto pela vaga, o que aconteceu. Os deuses do futebol sorriram para o alviverde e o grupo buscou a classificação, vendo o rival paulista ser goleado por 5 x 1.

Na segunda fase, no entanto, o alviverde deu adeus à Copinha diante do Tupi-MG. Na partida, os mineiros saíram na frente mas levaram o empate gamense no segundo tempo, o que garantiu a disputa de pênaltis para decidir quem avançaria. Durante a partida, o Gama não fez um bom primeiro tempo, mas jogou bem os últimos 45 minutos da disputa, empatou e fez crescer no torcedor alviverde a chama da esperança por uma vaga na fase posterior. Nos pênaltis, no entanto, dois atletas gamenses desperdiçaram suas cobranças e a equipe deu adeus à Copinha.

Durante as partidas, um dos nomes que mais se ouviu ser pronunciado pelos narradores paulistas foi o de Marcos, goleiro do Gama. O arqueiro fechou as metas do clube em praticamente todas as partidas e apresentou um desempenho digno de profissional experiente. Contra o Paulista, o goleiro evitou a virada adversária. Contra o Athletico, na estreia, não fossem suas defesas, o Gama poderia ter levado mais gols.

Sub-20

Com grande destaque na posição, Marcos chamou a atenção da comissão técnica de Vilson Tadei e subiu ao profissional, onde está treinando junto ao elenco principal do Gama. Agora a missão de Marcos é encontrar o seu espaço na equipe. No alto de seus 19 anos, o goleiro avalia seu excelente desempenho na Copinha. Ele deseja ter a oportunidade de defender o Gama em mais uma edição: “Foi uma experiência única. A Copinha é uma competição muito boa de se disputar e eu adoraria ter a chance de jogar novamente”, confessa.

Sobre a queda ainda na primeira partida da segunda fase, Marcos crê que a equipe poderia ter ido além: “Ficou aquele gosto amargo. Sabíamos que poderíamos ter ido ainda mais longe na competição”. Na visão dele, faltou capricho para o resultado ter sido diferente: “É difícil dizer o que faltou. Fizemos um bom jogo contra o Tupi e perdemos nos pênaltis. Talvez se tivéssemos caprichado mais em alguns detalhes, poderíamos ter vencido no tempo normal”, avalia.

A Copa São Paulo ficou para trás. O foco do elenco Sub-20 do Gama, neste momento, é a preparação para a Copa do Brasil da categoria, que acontece a partir do dia 18/03. O alviverde ainda não conhece seu adversário, mas o grupo deve se reapresentar no dia 10/02. E Marcos já mira a participação do clube, sem negar a dificuldade da competição: “Sabemos bem que é uma competição com um alto grau de competitividade. Vamos esperar o sorteio e pensar jogo a jogo. Daremos o nosso melhor dentro de campo para fazer a melhor campanha possível”, pondera.

Elenco profissional e futuro

Marcos é carioca e foi na Cidade Maravilhosa que o goleiro deu seus primeiros passos no futebol. Antes de aterrissar em Brasília, o goleiro iniciou sua vida no futebol no ano de 2015. Defendendo as cores do Botafogo, Marcos ostentou a estrela solitária no peito até dezembro de 2017. Meses depois, já em maio de 2018, ele chegou ao Gama.

Dentre as competições que disputou defendendo o manto alviverde, Marcos jogou dois estaduais Sub-19, onde conquistou o título em 2019, sendo um dos destaques do time. Agora, após as boas apresentações em São Paulo, Marcos foi promovido ao time profissional.

Mas não é a primeira vez, como explica o goleiro: “Já tive essa experiência no Candangão do ano passado. Não tem muito o que esconder, é algo que só tem a somar na minha carreira. Eu fico muito feliz por essa oportunidade”, conta. E ele mira uma vaga em definitivo: “Eu só tenho esse ano e o próximo para jogar pela categoria Juniores, por conta da minha idade. Depois disso meu objetivo é ficar em definitivo para o elenco principal. Já penso nesse futuro próximo”, explica.

Elo com o clube

O goleiro não se resume apenas a um funcionário do Gama. Ele reconhece a importância do alviverde em um momento delicado de sua carreira: “Eu estive prestes a deixar o futebol e o Gama abriu as portas para mim, me dando a chance de ser o que eu sou hoje. Nesses quase dois anos vestindo a camisa alviverde, desenvolvi um carinho muito grande pela instituição e, principalmente, pela torcida”, diz.

Marcos ainda não deve atuar pela equipe profissional, pelo menos não nesta temporada. Mas ele já escreveu seu nome dentro do clube e o Gama sabe que, se precisar de um goleiro, poderá contar com a habilidade do jovem. Sobre a chance, Marcos é curto e grosso em não esconder o desejo: “Quero dar sequência no clube, é um desejo forte”, pontua.

 

Por Departamento de Comunicação