SEG 1975: Torcedores foram premiados por sugerirem o nome da marca própria

07/02/2019

Na estreia do Candangão, o Gama apresentou à sua torcida o nome de sua marca própria, que estampa os produtos oficiais nesse ano. O alviverde é o primeiro clube no Distrito Federal a deixar de produzir seu uniforme com fornecedores de materiais esportivos habituais, para desenvolver uma marca própria.

 

O nome

A campanha para escolha do nome foi dividida em duas etapas: Na primeira, os torcedores enviaram sugestões de nomes, das quais foram escolhidas 10. Na segunda etapa, esses nomes foram à votação popular, onde o escolhido foi “SEG 1975”.

Os torcedores alviverdes que sugeriram o nome da nova marca própria do Gama participaram de um sorteio, onde houve dois ganhadores – Wladson Alves e Junio Augusto. Esses sortudos ganharam uma camisa oficial, mas, principalmente, terão o prazer de dizer que fizeram parte, diretamente, de um dos maiores marcos da Sociedade Esportiva do Gama: indicaram o nome que foi o escolhido para a marca própria do clube.

 

Os ganhadores

Um dos fundadores da torcida organizada Ira Jovem Gama, o torcedor Wladson Alves Ferreira é morador da cidade do Gama e sempre esteve presente no cotidiano do clube. Wladson teve três passagens como preparador físico das categorias de base do clube.

Em sua primeira passagem, participou do vice-campeonato da Copa Santiago/RS de Juvenis, em 2010 – um dos principais torneios da categoria. Na segunda passagem pelo alviverde foi vice-campeão candango nas categorias infantil e juvenil, em 2012, levando ainda o título da Copa AGAP. Em sua última passagem, foi campeão candango de juniores, em 2014.

O torcedor Junio Augusto mora em Belo Horizonte, mas, apesar de estar longe, Junio não deixa de ser apaixonado pelo clube. Com uma vasta coleção de camisas e outros produtos do clube, o torcedor – que foi membro da torcida organizada Inferno Verde e hoje faz parte da Ira Jovem – confeccionou uma faixa da “Ira Jovem Gama – Belo Horizonte” e roda o país representando as cores alviverdes. Sempre que pode, Junio Augusto traz sua faixa ao Gama para assistir os jogos do Periquito.

 

A marca

O manto que o clube irá vestir em 2019, foi apresentado no evento de comemoração dos 43 anos do alviverde. O desenho da marca é uma alusão a um dos símbolos mais representativos da cidade do Gama: o Monumento do Periquito.

Em 1998, após o título de Campeão Brasileiro da Série B, Ariomar Nogueira, arquiteto da cidade do Gama, decidiu criar o “Monumento do Periquito”, visando homenagear a conquista alviverde. A escultura é uma referência ao escudo do clube, colocado com um periquito acima, planando, como se fosse voar e alçar voos maiores – o que aconteceu com o Gama, após aquele título, o clube passou quatro anos na Série A e se tornou o maior campeão do Distrito Federal.

O Monumento do Periquito ficou famoso em todo o Distrito Federal e, por sua popularidade, acabou “nomeando” o balão onde foi colocado. O “Balão do Periquito” – hoje, Viaduto do Periquito, após as obras do BRT – virou o principal marco de entrada da cidade do Gama, localizado na divisória entre a entrada do Riacho Fundo II (que leva às cidades como Taguatinga e Samambaia), CAUB (que leva ao Plano Piloto) e do entorno (que leva à Luziânia e Valparaíso).

 

Fértil Comunicação